Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"Tens Coragem?" de Megan Abbott

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

terça-feira, 29 de novembro de 2016
quarta-feira, 23 de novembro de 2016
sexta-feira, 18 de novembro de 2016

quarta-feira, 16 de novembro de 2016
Autora: Kiera Cass
ISBN: 9789897542381
Edição ou reimpressão: 06-2016
Editor: Marcador
Páginas: 320

Sinopse:
A Princesa Eadlyn cresceu a ouvir histórias intermináveis de como a sua mãe e o seu pai se conheceram. Vinte anos antes, America Singer entrou na Seleção e conquistou o coração do Príncipe Maxon - e viveram felizes para sempre.
Eadlyn sempre achou romântica esta história de encantar, mas não tem qualquer interesse em tentar repeti-la. Por si, adiaria o casamento tanto tempo quanto possível. Mas a vida de uma princesa não é inteiramente sua e Eadlyn não pode escapar à sua própria Seleção - por mais fervorosamente que proteste.
Eadlyn não espera que a sua história acabe em romance. Mas com o início da competição, um candidato poderá acabar por conquistar o coração da princesa, mostrando-lhe todas as possibilidades que se encontram à sua frente… e provando-lhe que viver feliz para sempre não é tão impossível como ela pensou.


Opinião:
Apesar de a personagem principal da trilogia anterior me irritar um bocadinho, gostei imenso da trilogia e quando soube que ia sair uma nova trilogia, no mesmo mundo, passado alguns anos e com a filha dos antigos protagonistas, quis saber de imediato como ela seria e mais importante, como estaria o mundo de America após ter vencido a competição pelo coração do príncipe.

Eadlyn é a filha primogénita da rainha America e do rei Maxon, um casal que teve uma história romântica como poucas. Uma história conhecida por todo o país. Eadlyn tem um irmão gémeo, mas por poucos minutos conseguiu nascer primeiro, levando a alterações na lei para que alguém do sexo feminino pudesse governar. Tendo crescido protegida dentro das paredes do palácio, ao contrário da sua mãe que sempre conhecera o pior lado da vida até conhecer Maxon, Eadlyn é uma rapariga extremamente protegida que acha que o mundo lá fora é tal e qual dentro do palácio, perfeito e seguro.

Mas essa realidade está longe de ser verdade e Eadlyn apenas o descobre quando os seus pais a convencem - a custo -, a ter a sua própria Seleção, à semelhança dos seus pais, para encontrar quem pudesse governar a seu lado. É aí que Eadlyn conhece pessoas de outras realidades, muito diferentes entre si mas que têm um ponto em comum... Sabem mais do reino de Eadlyn do que ela própria.

Desta vez a nossa personagem principal é extremamente diferente da personagem principal da primeira trilogia. Eadlyn não conhece nada para além da vida de princesa real. Extremamente protegida pelos pais, Eadlyn acha que o mundo é um mar de rosas. Além disso, devido ao tratamento que sempre teve, é uma criança mimada, oportunista e deveras aproveitadora, características que a mesma tem noção. Mas também é decidida, determinada e com um elevado sentido de justiça.

A autora conseguiu utilizar bem as personagens que criou. No caso da princesa não a tornou demasiado comum e adorável, antes pelo contrário, criou uma personagem real que, devido à forma como fora criada, tinha uma personagem difícil, habituada a ter tudo como queria.

Neste livro acho que o que me prendeu nem foi Eadlyn mas sim alguns dos seus pretendentes. Temos desde um antigo amigo de infância que a conhece como ninguém e não tem medo de a atormentar, a um estrangeiro que não fala a mesma língua que Eadlyn mas que se esforça como ninguém para conseguir compreendê-la e falar com ela e o seu tradutor, um estranho homem com quem Eadlyn deve ter mais afinidade do que com muitos dos pretendentes.

Um livro que só peca pela mentalidade que a autora pôs na escrita em algumas partes... Desde a Eadlyn não puder governar sozinha por ser mulher, a por duas pessoas não serem do mesmo país não poderem de forma alguma se apaixonar... Mas de resto foi um livro que me prendeu e que gostei, talvez mais do que a trilogia original!