Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"O Terno Rebelde" de Johanna Lindsey

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

quarta-feira, 24 de agosto de 2016


terça-feira, 23 de agosto de 2016
Autora: Johanna Lindsey
ISBN: 9789892330334
Edição ou reimpressão: 03-2015
Editor: Edições Asa
Páginas: 320

Sinopse:
Regina Ashton já recusou tantos pretendentes à sua mão que a alta sociedade londrina a considera uma snobe sem coração. Não podiam estar mais enganados. Órfã desde cedo, Regina é a sobrinha superprotegida de Lord Edward e Lady Charlotte Malory, a quem é muito difícil agradar. Aos olhos dos tios, nenhum dos jovens candidatos é suficientemente bom. Cansada de tão infrutífera busca, a jovem sai de casa numa noite escura, decidida a informá-los de que não pensa casar… nunca! Mas o seu plano coloca-a no sítio errado à hora errada, e é raptada por engano. A sua ira perante a arrogância do raptor, Nicholas Eden, vai inesperadamente dar lugar a sentimentos contraditórios de paixão e vergonha. Aquela noite não mais lhe sairá da cabeça.
O Visconde Nicholas Eden também tinha um plano: dar uma lição à sua amante descontente, raptando-a ao abrigo da noite. Não contava enganar-se na pessoa e arruinar a reputação de uma menina de família. Mas agora, movido pelo desejo mais desenfreado que alguma vez sentiu, é a custo que reconhece que nunca poderá casar com Regina, apesar do escândalo que paira sobre eles.
Implacável, é o destino que os uniu a afastá-los irremediavelmente, ainda que ambos saibam que um amor assim só se vive uma vez…


Opinião:
Fui de férias e uma das únicas coisas que conseguia pensar era... que livro iria ler? Tenho diversos modos nas férias e um dos meus mais "famosos" por casa é dividir as férias entre dormir e ler. Pelo menos durante uma das semanas. E por norma leio sempre livro leves. Foi assim que comecei a ler este. Um romance histórico, que outro livro poderia ser mais leve?

Regina sempre se quis casar. Queria ter um família e alguém que a amasse como se ela fosse a única mulher no mundo. Mas as coisas não são assim tão simples quando se tem um família como a dela. Regina é a filha da única rapariga entre os irmãos Ashton. Rapariga essa que falecera, deixando Regina ao cuidado dos tios loucos e protectores. Tios esses que são conhecidos por toda a sociedade, não fossem uma das famílias mais ricas.

Quando tem como objetivo ir a um dos grandes bailes da temporada e a nova conquista do irmão lhe empresta a sua carruagem, está longe de imaginar que um dos amantes da dona da carruagem a decidisse raptar para lhe pregar uma pequena partida! Partida essa que pode destruir tudo para Regina, especialmente o seu bom nome e a hipótese de arranjar um marido, que já era muito remota devido aos tios.

Um pequeno grande problema que acaba por ser o melhor que poderia acontecer a Regina. Quando se descobre que esta passara a noite com Nicholas, um infame mulherengo, encontra uma porta de escape para a sua dificuldade em encontrar alguém que a família ache adequado para si, cansando assim com Nicholas, mesmo contra a opinião deste.

Que me lembre nunca li nada desta autora e por isso esta foi a minha primeira aventura entre as suas histórias e escrita. A autora tem uma escrita cuidada e fluída, que prende o leitor do início ao fim. Apesar da escrita senti necessidade de aprofundamento de algumas personagens, para melhor compreender as suas ações e reações ao longo de toda a narrativa, pois haviam momentos que eu ficava sem saber se a personagem tinha agido por ser cruel ou devido a problemas do passado, o que me deixava confusa.

Esta confusão vai desaparecendo ao longo da narrativa, em que finalmente temos um pouco de desenvolvimento, mas não como gostaria. A autora centrou-se muito na família e menos no romance, quando eu queria algo mais ao contrário. Claro que compreendo que este é suposto ser o livro introdutório à narrativa e à família de Regina, mas senti falta de ainda mais romance. Mas temos que ser sinceros, a atitude de Nicholas ao longo de todo o livro não dava muito pano para mangas para romance.

Um livro que gostei de ler, mas que poderia ter sido melhor se a autora tivesse apostado mais no romance.
segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Autora: Jennifer Armentrout
ISBN: 978-989-745-028-0
Edição ou reimpressão: 2016
Editor: 5 Sentidos
Páginas: 272

Sinopse:
Cameron Hamilton está habituado a ter o que quer, especialmente no que toca às mulheres. No entanto, quando Avery Morgansten irrompe na sua vida, finalmente conhece alguém que consegue resistir aos seus encantos. A distância que a rapariga impõe entre os dois constitui um desafio perturbador e excitante, que o intempestivo jovem não tarda a abraçar. Só que Avery tem demasiados segredos, dilemas sombrios que a impedem de admitir os seus verdadeiros sentimentos por Cam.
Será que a persistência, e algumas bolachas caseiras deliciosas, vão ajudar Cameron a quebrar todas as barreiras e ganhar a confiança de Avery? Ou será que os segredos que ambos guardam os afastarão em definitivo, deitando a perder a primeira e derradeira oportunidade de um tipo de amor que dura para sempre?


Opinião:
Li o livro "Espero por Ti" da autora e adorei!! Não o consegui largar enquanto não o terminasse e, apesar de saber qual o desfecho (afinal de contas este tipo de livros tem sempre o mesmo tipo de final), queria saber como chegaríamos a esse final. Adorei a personalidade de Avery e ainda mais a maneira de ser de Cameron para com ela. Este livro é a mesma história mas do ponto de vista de Cameron.

Cameron é o rapaz giro e popular conhecido em toda a escola. E ele sabe isso. Tal como sabe que apesar de ser inteligente se encontra muito atrás na matéria e precisa rapidamente de ajuda... Quando, para (não variar) Cameron se encontra a deambular pelos corredores quando devia estar nas aulas, vai contra uma rapariga estranha com um cheiro fantástico a morangos. De imediato fica interessado levando-a inclusive às aulas...

O resto? O resto de certeza que saberão do primeiro livro, pois esta é a mesmíssima história, apenas contada de outra perspectiva. E, sendo diferente só para chatear, gostei menos deste livro do que do primeiro. Adorei a adoração que Cameron tem por Avery e que se nota imenso nesta versão da história, mas por vezes achava essa adoração excessiva e tinha vontade de o fazer parar.

Além disso enquanto que na primeira versão tanto Avery como Cameron me pareciam personagens fortes e com uma grande história, com que simpatizei de imediato, nesta versão Avery era alguém fácil de ignorar. Parecia uma personagem que nem a secundária chegava, o que para mim, que a adorara no primeiro livro, me custou um pouco.

Sim, como podem ver fiquei um pouco confusa com a minha opinião deste livro. Adorei o primeiro mas durante a leitura deste não pude de os deixar comparar, considerando este muito mais fraco e gostando mais do desenvolvimento da história e das personagens levado a cabo na versão de Avery.

Apesar disso não deixa de ser um bom livro que gostei de ler, simplesmente gostei mais do primeiro.
domingo, 21 de agosto de 2016
Autora: Fiona Barton
ISBN: 9789896577568
Edição ou reimpressão: 2016
Editor: Editorial Planeta
Páginas: 360

Sinopse:
A MULHER
A existência de Jean Taylor era de uma banalidade abençoada. Uma boa casa, um bom marido. Glen era tudo o que sempre desejara na vida: o seu Príncipe Encantado. Até que tudo mudou.

O MARIDO
Os jornais inventaram um novo nome para Glen: monstro, era o que gritavam e lhe chamavam. Jean estava casada com um homem acusado de algo impossível de imaginar. E à medida que os anos foram passando sem qualquer sinal da menina que alegadamente raptara, a vida de ambos foi sendo escrutinada nas primeiras páginas dos jornais.

A VIÚVA
Agora, Glen está morto e pela primeira vez Jean está só, livre para contar a sua versão da história.


Opinião:
Este livro mal chegou às livrarias chamou a atenção de muita gente, não apenas de bloguers mas de imensos leitores. A editora fez uma boa publicidade em redor do livro e a capa em conjunto com a sinopse foram uma grande ajuda. A autora era uma jornalista que cobrira imensos casos de desaparecimentos e gostava de imaginar o que poderiam dizer as mulheres se os maridos acusados desaparecessem. Será que teriam algo mais para contar? Ou será que simplesmente ficariam caladas para todo o sempre?

Jean Taylor era conhecida na pequena cidade onde morava por ser uma mulher afável, simpática e bonita, que prendia a atenção das pessoas pela sua humildade e preocupação para com os outros. O marido era um homem com um bom trabalho e juntos tinham uma vida simples a dois, pois infelizmente não podiam ter filhos. A única pedra no sapato daquele casal aparentemente perfeito.

É então que, de repente, naquela terra em que nada se passa, uma criança desaparece enquanto estava a brincar no jardim da sua casa. A mãe fora para dentro de casa por breves instantes e quando regressara a filha tinha desaparecido, estando no seu lugar um pacote de doces, o que provavelmente teria servido para atrair a filha.

Em que é que a família perfeita de Jean poderia estar relacionada com o desaparecimento desta criança? Jean pensaria que nada, até que a polícia lhe aparece à porta, prendendo-lhe o marido e acusando-o do desaparecimento da criança, mudando-lhe a vida para sempre.

Este livro tem um bom ritmo e algo que eu adoro neste tipo de policiais/thrillers... os capítulos são separados por personagens. Ora temos um do ponto de vista da esposa, como do ponto de vista do polícia, do marido e da jornalista. E ora temos a ação no presente, em que o marido de Jean se encontra morto e esta está a ser constantemente abordada por jornalistas para verem se a esposa, agora sem a influência do marido, conta algo sobre o desaparecimento da criança, ora temos a ação no passado, onde vemos a aflição da mãe da menina e o desespero do polícia.

Desde o início que Jean se revelou alguém muito diferente do que se mostrava ao mundo. Por fora parecia ser querida, preocupada, mas quando líamos a ação do seu ponto de vista encontrávamos alguém cheio de dúvidas em relação ao marido e à sua vida, que via todos como seus inimigos e que apenas queria regressar ao passado.

É um livro que prende o leitor e este quer saber rapidamente o que anda Jeana esconder, porque sim, desde o início percebemos que ela sabe muito mais do que aquilo que afirma. É este mistério em volta d"'A Viúva" que me prendeu e gostei imenso de conhecer esta autora.

Uma boa aposta da Planeta, que recomendo sem reservas.